Loading...

Nuno Aroso, Vasco Ramalho e Algarve Grupo de Percussão Contemporânea

  • Local: Auditório Museu de Portimão
  • Data: 27 junho . 17h00 (concerto de encerramento)

O último dia do DPP - Dias da Percussão Portimão 2021 é dedicado à música contemporânea para percussão.
O programa inicia com a estreia da encomenda do festival a João Pedro Oliveira, “In the House of the Glass King (2021)”, escrita para Vasco Ramalho, marimba, Nuno Aroso, vibrafone e Algarve Grupo de Percussão Contemporânea.De seguida, Nuno Aroso apresenta “Garden Eight (2004”),de Lei Liang (1972) estreia em Portugal e City Walk (2020), do compositor João Pedro Oliveira. O concerto de encerramento termina com o Algarve Grupo de Percussão e duas emblemáticas peças para ensemble de percussão: Fractalia (2011), Obra para Quarteto de Marimbas, de Owen Clayton Condon (1978-) e o energética Trio Per Uno, Op. 27, de Nebojsa Jovan Zivkovic (1962-).


PARTE I
In the House of the Glass King (2021)
João Pedro Oliveira, Estreia Encomenda DPP’21
“Quando aceitei escrever esta obra para a 1ª Edição de Dias da Percussão Portimão, muitas influências me pareceram possíveis de serem recuperadas do meu passado musical. Para além do objetivo específico de serem utilizados elementos rítmicos e harmónicos derivados da música tradicional portuguesa (concretamente o fandango, os pauliteiros, o corridinho), acabei por também buscar na música rock da minha adolescência outras influências que também se inseriram na obra. Estas influências não são óbvias em nenhum dos casos. Foram misturadas polifonicamente de forma a se obter ritmos muito complexos a partir da sobreposição de elementos rítmicos de todos estes géneros. Mesmo assim, o resultado final, com os seus “loops” de células rítmicas e a repetição variada das mesmas, pretende fazer alguma referência subtil a todas estas memórias que fizeram e fazem parte da minha vida como compositor.”

In the Court of the Crimson King
House of Rising Sun
In a Glass House


PARTE II
Garden Eight (2004)
Lei Liang (1972) estreia em portugal
Interpretação: Nuno Aroso
"Compus uma série de peças intitulada Jardins, em homenagem à Dinastia Ming Yuen Yeh, o primeiro e mais requintado tratado de horticultura chinês. Jardins, nesse discurso, não são tratados como um recinto confinado, mas como um ambiente ampliado. Um jardim chinês é um mundo visual e também um mundo de outros sentidos. Nuvens que passam, montanhas remotas, som de sinos de antigos templos, transitoriedade das estações,. . . todos fazem parte do espaço estendido. Quando recitamos um poema ou tocamos a cítara de sete cordas, nosso espírito mergulha no jardim enquanto permanecemos observadores reflexivos.Essas peças são jardins musicais. Realizar um deles é caminhar por um jardim de sons.” Lei Liang

City Walk (2020), de João Pedro Oliveira
“Uma cidade imaginária... Vamos caminhando pelas suas ruas. Cada passo tem um som, cada passo projeta um timbre, cada movimento tem uma personalidade única. Andamos, corremos, tropeçamos, hesitamos, paramos, voltamos a andar... Colecionando todos esses momentos e os sons produzidos, vamos construindo uma imagem sonora de um passeio por essa cidade, uma City Walk. “ João Pedro Oliveira

PARTE III
Fractalia (2011),
Obra para Quarteto de Marimbas, de Owen Clayton Condon (1978-)
“O ex-membro do ensemble de percussão “Third Coast Percussion”, Owen Clayton Condon, escreve músicas influenciadas pelo minimalismo, música eletrônica e percussão tradicional japonesa (taiko). A sua peça, “Fractalia”, escrita para o seu ensemble em 2011, é uma celebração sónica de fractais, formas geométricas cujas partes são uma cópia em tamanho reduzido do seu todo (derivado do latim “fractus”, que significa “quebrado”). As melodias fraturadas caleidoscópicas em “Fractalia”, são criadas passando uma figura repetida por quatro músicos em diferentes registros da marimba. ” Jeremy Maytum







NUNO AROSO (vibrafone)

Professor, Investigador e ativo solista de música contemporânea, Nuno Aroso desenvolve a sua carreira focado na investigação com compositores e no fomento da literatura para percussão. Tocou em estreia absoluta mais de 120 obras e gravou parte deste repertório em inúmeras edições discográficas. Apresenta-se como professor, investigador, membro de júri e intérprete em Portugal, França, Alemanha, Bélgica, Espanha, Itália, Eslovénia, Brasil, China, Ucrânia, Tailândia, África do Sul, Argentina, Grécia, Suécia, Inglaterra, Canadá, Bulgária, Tunísia, Escócia, Coreia do Sul, Japão e Chile. Doutorou-se com a tese The Gesture´s Narrative – contemporary music for percussion. Leciona atualmente na Univ. do Minho e colabora com a Univesidade Alfonso X - El Sabio em Madrid.
Estende a sua atividade docente a outras prestigiadas universidades, conservatórios e festivais de música, um pouco por todo o mundo, promovendo a realização de masterclasses, e seminários, um pouco por todo o mundo.
Mais informação em www.limina.pt/nunoaroso .


VASCO RAMALHO (marimba)

Nasceu em 1982 em Reguengos de Monsaraz - Portugal. Iniciou os seus estudos musicais com 12 anos na EPMEV, curso que concluiu em 2000 com elevada classificação. No mesmo ano ingressou na Universidade de Évora onde se Licenciou em percussão no ano 2005. Entre 2006 e 2008 frequentou uma Pós-Graduação em marimba solista no Royal Conservatory Antwerp - Bélgica com o professor Ludwig Albert. Participou em vários cursos e festivais internacionais dos quais se destacam: Zeltsman Marimba Festival 2003 que decorreu em Appleton - WI - USA; Ludwig Albert Academy 2006 - Belgica; Keiko Abe Academy 2007 – Bélgica onde trabalhou com Keiko Abe; IPEW 2008 e 2019 - Croácia. Festival de música da UÉ 2013, Tomarimbando 2014 e 2017, Percussion Friends 2017 no Conservatório de Amsterdão, entre outros. Precursor da percussão na região sul de Portugal, desde 2005 já conseguiu iniciar a classe de percussão em vários Conservatórios e Academias. É diretor artístico das VII edições realizadas do FINTP Portimão, diretor artístico do I e II FIPAC e do I e II Festival Internacional de Percussão de Évora. Foi também diretor artístico da VII edição da Ludwig Albert Summer marimba Academy em 2014.Em Julho de 2017 lançou o seu primeiro CD, Vasco Ramalho – Essências de Marimba, Fados & Choros.
Desde 2012 que Vasco Ramalho é artista Adams, uma das mais conceituadas marcas de instrumentos de percussão a nível mundial, e desde 2019 das marcas Innovative Percussion, Zildjian e Remo.
Actualmente sou professor no Conservatório de Música de Loulé - Francisco Rosado e no Conservatório Regional de Évora - Eborae Musica.



JOÃO PEDRO OLIVEIRA (compositor)

Ocupa o cargo de Corwin Endowed Chair em Composição na Universidade da Califórnia em Santa Barbara. Estudou orgão, composição e arquitetura em Lisboa. Concluiu o doutoramento em Música na Universidade de New York em Stony Brook. Sua música inclui composições orquestrais, música de câmara, música eletroacústica e vídeo experimental. Recebeu mais de 60 prémios internacionais pelas suas obras, incluindo três prémios no Concurso de Música Electroacústica de Bourges, bem como os prestigiados Magisterium e Prémio Giga-Hertz, o 1º Prémio no concurso Metamorphoses, o 1º Prémio no concurso Musica Nova. Foi professor na Universidade de Aveiro e na Universidade Federal de Minas Gerais. Publicou diversos artigos em revistas nacionais e internacionais, e escreveu um livro sobre teoria analítica da música do século XX.
www.jpoliveira.com



ALGARVE GRUPO DE PERCUSSÃO CONTEMPORÂNEA
(percussão contemporânea)

Criado em 2019 pelo percussionista Vasco Ramalho, com o objetivo de criação de um grupo de percussão profissional capaz de apresentar em palco as grandes obras da percussão contemporânea, com músicos residentes na região. São parte integrante deste grupo: Pedro Branco, João Paias [Lic. Percussão na Universidade de Évora], e Luis Casal. Estrearam no VENTANIA Festival de Artes Performativas do Barlavento, em outubro de 2020 em Portimão.

Financiamento
Funding:

Parceiros institucionais
Institutional partners

apoio

Apoios:
Support: